Refletindo com…

Dança Comigo

Faz tempo que penso em postar pequenos diálogos de filmes, aqueles que fazem a gente parar para pensar, sabe? Cheguei a postar um do filme Patch Adams há um tempinho atrás, mas não dei continuidade e também não cheguei a criar um espaço só pra isso aqui no blog. Então hoje, inicio oficialmente essa idéia. E começo com um diálogo entre as personagens de Susan Sarandon e Richard Jenkins, num filme que gosto muito, Dança Comigo (Shall We Dance). Espero que gostem! 🙂

Lá vai:

dancacomigo.jpg

Beverly: Por que acha que as pessoas se casam?

Sr. Devine: Paixão!

Beverly: Não…

Sr. Devine: Interessante, eu achei que fosse romântica. Estão, por que é?

Beverly: Porque precisamos de uma testemunha para a nossa vida. Há um bilhão de pessoas no mundo, que importância tem a vida de cada pessoa, na verdade? Mas no casamento, você se compromete a se importar com tudo. As coisas boas, as coisas ruins, as coisas terríveis, as coisas comuns… com tudo, sempre, todos os dias. Você diz: “a sua vida não passará sem ser notada, porque eu estarei lá para notar”. Sua vida não ficará sem testemunhas, porque eu serei a sua testemunha. 

Legal, né?!

Melhor definição sobre o casamento que eu já ouvi! 😀

E você, tem algo a dizer sobre o tema? 😉

Os Mamíferos Parmalat Cresceram!!!

mamiferos.jpg

A Parmalat traz de volta nesse mês a campanha dos Mamíferos da Parmalat, que ficou famosa nos anos 90 por trazer crianças vestidas de diversos animais. Lançando sua nova linha de leites, a empresa organizou o reencontro dos meninos e meninas que interpretavam os bichinhos, agora adolescentes, em seu novo anúncio publicitário.

A idéia é mostrar que os mamíferos cresceram, assim como a família de leites Parmalat. Para recriar a campanha, a produtora do anúncio montou um cenário similar ao da antiga propaganda. Desta vez, porém, o porco, a vaquinha, a foca, a zebra, o elefante e demais bichinhos – que hoje estão na faixa dos 15 anos – tentam colocar as fantasias, mas, obviamente, não têm sucesso, já que elas não cabem mais.

O comercial estreiou nesta quinta-feira, dia 30, durante os comerciais do Jornal Nacional, da TV Globo.

Além de manter praticamente a mesma produção e personagens, a melodia também continua a mesma. Mas, desta vez, com uma letra que faz menção ao período de tempo que passou:

“O elefante agora está grande

O porco cor de rosa e o macaco também estão

O panda e a vaquinha tomaram Parmalat

Assim como a foquinha, o ursinho e o leão”

“O gato mia, o cachorro late

O rinoceronte espichou com Parmalat

Mantenha seus filhotes fortes… Vamos lá

Trate seus bichinhos com amor a Parmalat”.

Na seqüência, a locução, em off, afirma: “Eles cresceram. A família de leites Parmalat também”.

Ao final, a Gambá pergunta para a Gata: “Tomou?”. E a ela responde: “Ôoooo”, fazendo uma analogia dos dez anos que se passaram e o quanto eles cresceram por tomar o leite da marca.

veja imagens da campanha:

001.jpg 003.jpg 002.jpg 005.jpg 004.jpg

e agora relembre a propaganda original, com aquela musiquinha que muita gente ainda sabe de cor. =)

Relembrando…

…Patch Adams – O Amor É Contagioso 

patch_adams.jpg

Arthur: Quantos dedos você vê?
 
Patch: Quatro.
Arthur: Não, não! Olhe além dos dedos! Agora me diga, quantos você vê?

Arthur: Você está focando no problema. Se focar no problema, não conseguirá ver a solução! Nunca foque no problema! Quantos você vê?

(Patch continua olhando para os seus quatro dedos, sem saber exatamente o que fazer ou dizer…)

Arthur: Olhe além dos dedos!

(Patch deixa a visão defocar um pouco, passando a olhar além dos dedos…)

Patch: …… oito!
Arthur: Oito! Oito! Isso! Oito é uma boa resposta! Veja o que ninguém mais vê! Veja o que todos os outros escolhem não ver… sem medo, conformismo ou preguiça. Veja um mundo todo novo a cada novo dia!”

Mulheres do Cinema

Perambulando por blogs alheios, descobri esse vídeo maravilhoso com fotos das maiores beldades e os maiores talentos de Hollywood. Indo de Mary Pickford a Halle Berry e passando por Marlene Dietrich, Marilyn Monroe, Audrey Hapburn, Susan Sarandon, Jodie Foster e Angelina Jolie – só pra citar as minhas favoritas algumas.

O editor fez um trabalho maravilhoso, não apenas fazendo um slide das fotos, mas nos oferecendo um show de metamorfoses… uma depois da outra, depois da outra… É hipnotizante!

Se você curte estrelas antigas clássicas ou não, não deixe de assistir esse vídeo que pra mim já é uma obra de arte.

Sessão Nostalgia – Victor ou Victoria

 Victor Vitoria - Cartaz Broadway

Um homem que personifica uma mulher no palco? Fácil. Mas uma mulher, cujo sustento depende dela se passar por um homem que finge ser mulher? Agora começam os problemas.  

Essa deliciosa comédia musical de 1982, estrelada pela maravilhosa Julie Andrews (que dispensa apresentações), é um filme de Blake Edwards (A Pantera Cor-de-Rosa e Boneguinha de Luxo) com música de Henry Mancini e Leslie Bricusse, vencedores do Oscar de “Melhor Trilha Sonora”. No elenco, o tbm maravilhoso Robert Preston (Carroll Todd ‘Toddy’), que interpreta um ator de cabaret que,  para ajudar a amiga em dificuldades (Andrews), cria o papel do homem que posa como mulher. James Garner (King Marchand) é o homem de negócios apaixonado por Victor, mas tem certeza que o transformista seja na verdade Victoria. E Lesley Ann Warren (Norma) a namorada bonitinha, mas pouco inteligente e irritante de King  

A estória se passa na requintada Paris de 1934. A cantora lírica Victoria Grant encontra-se numa situação extremamente difícil, até conhecer por acaso, o divertido e encantador Toddy, que acaba tornando-se seu melhor amigo. Num lampejo de criatividade e bom humor, Toddy idealiza um personagem (Conde Victor Grezhinski) que pode tornar ambos muito ricos e mudar suas vidas para sempre. É aí que Victoria, que não tem mais nada a perder, torna-se Victor, que interpreta Victoria nos palcos.  

vv_21-2.jpg

É simplesmente um filme delicioso de assistir. Sem a menor dúvida, meu musical favorito. Tive o prazer de assisti-lo ainda criança, e nunca mais esqueci. Na adolescência consegui grava-lo em VHS e já adulta o adquiri assim que foi lançado em DVD. Fazia um bom tempo que ele estava quietinho, sem ser assistido, em meio a outros filmes. Até que minha sobrinha (de apenas 1 aninho e 3 meses) se encantou por ele, justamente pela enorme boca vermelha que estampa a capa, e lá acabei separando-o para rever. E foi como se estivesse assistindo pela primeira vez. É sempre muito prazeroso e divertido. Mas ao visitar os extras, vi que mesmo tendo o musical há tantos anos, ainda não havia explorado o filme completamente. A versão com comentários da atriz Julie Andrews e do diretor e roteirista Blake Edwards, não fora assistida. Ah, não perdi tempo. E que presente eu me dei aquela tarde. Simplesmente fabuloso. Vinte anos depois, o casal Andrews & Edwards (que são casados desde 1969 e têm 5 filhos dessa união) contam curiosidades maravilhosas, como: o filme ter sido totalmente rodado em dois estúdios na Inglaterra, sem nenhuma tomada externa; o cuidado em passar o filme no inverno, mas evitando os tons de azul e abusando dos tons quentes, como vermelho, laranja, rosa, para deixar o filme alegre, já que o musical trata de muito amor e carinho; o pavor que Julie tem de baratas e como foi complicado gravar as cenas que necessitavam do inseto perto dela; a maneira em como eles trabalhavam com as baratas, congelando-as e, na hora de filmar, descongelando-as com o secador de cabelo; o filho do casal que faz uma pontinha no filme, como um dançarino gay boquiaberto com o novo astro dos palcos, Victor (os pais se esbaldam ao contar em como o filho interpretou o personagem com maestria e lamentam ele ter decidido trabalhar atrás das câmeras, sendo que seu talento como ator é imenso… rsrsrs); a harmonia incomparável do elenco e equipe; e tantas outras curiosidades do back stage, que tornam o filme ainda mais interessante. 

vv_06.jpgvv_17.jpg

vv_25.jpgvv_34-1.jpg

vv_46.jpgvv_47.jpg

E o mais bonito nisso tudo, é a enorme admiração que Blake e Julie tem um para com o outro como profissionais, e, para com o filme tbm. É sem dúvida mais um filho do casal, tamanho o amor por essa obra. O tempo todo eles deixam isso bem claro. A afeição é imensa.

E o final dos comentários não poderia fechar de forma mais bonita: 

“There’s nothing better than being in love with someone and doing something together.”  

Imagina, o Blake fala isso depois de trinta anos de casado. Não é lindo??? 🙂 

Blake Edwards & Julie Andrews

Pois é, preparem-se, pois a despedida dos comentários dos dois é uma sucessão de lindas declarações. 😀 

Não posso deixar de comentar as excelentes performances de Julie como Victoria e da trilha sonora maravilhosa. Simplesmente encantadoras! Eu adoro TODAS as apresentações musicais, tanto “Le Jazz Hot”, “You And Me”, “Crazy World”…, ficando complicadíssimo optar por uma, mas se fosse para escolher, eu diria que a  performance de “The Shady Dame From Seville” se destaca um pouquinho mais que as outras para mim. Tem toda uma movimentação que adoro e, Julie simplesmente dá um show, sendo impossível não se encantar.

Segue o vídeo abaixo: 

 

E é nessas horas que a gente lamenta que uma atriz como essa esteja limitada pela idade. Pessoas assim jamais deveriam envelhecer, pois só acrescentam e tornam a vida mais bela, não é mesmo?!  

Julie Andrews tem um “quê” especial, não adianta. Ela prende sua atenção com aquele jeitinho, com aquela doçura sem tamanho. Transparece no olhar. É algo natural nela, um carisma imenso. E que talento, hein?! Imensurável!!! 

Para terminar, deixo o trailer do filme, para quem não assistiu ficar com água na boca, e para quem já assistiu, querer assistir novamente: 

   

Victor ou Victoria Ganhou o Oscar de Melhor Trilha Sonora, além de ter sido indicado em outras 6 categorias: Melhor Atriz (Julie Andrews), Melhor Ator Coadjuvante (Robert Preston), Melhor Atriz Coadjuvante (Lesley Ann Warren), Melhor Direção de Arte, Melhor Figurino e Melhor Roteiro Adaptado. Julie Andrews ganhou o Globo de Ouro (Melhor Atriz), Robert Preston ganhou o prêmio da National Board of Review (Melhor Ator Coadjuvante) e Warren (Melhor Atriz Coadjuvante). Também venceu o Writers Guild Of America Awards (Melhor Comédia AdaptadaBlake Edwards) e o prêmio  César de Melhor Filme Estrangeiro. E recebeu uma indicação ao Grammy de Melhor Trilha Sonora TV/Cinema. 

O filme também tornou-se um musical de muito sucesso na Broadway, com sua atriz principal, Julie Andrews, e ousou em cenas que acabaram não entrando no filme.

Hollywood comemora 30 anos de Guerra nas Estrelas

Star Wars

No dia 25 de maio de 1977, o primeiro filme da saga Guerra nas Estrelas surgia nos cinemas americanos para posterior delírio mundial. Desde este dia, a ficção científica cinematográfica não foi mais a mesma. Para comemorar esse marco na história do cinema, haverá uma festa entre os dias 24 e 28 de maio em Los Angeles, California. A Celebration IV é a convenção oficial do Star Wars e será patrocinada pela própria LucasFilms. George Lucas marcará presença no evento. Além do diretor, estarão presentes também os atores Carrie Fisher, Anthony Daniels, entre outros.

Onde estão os atores de Guerra nas Estrelas? 

Eles fizeram parte da série de filmes mais lucrativa da história do cinema e que até hoje só perde em bilheteria para Titanic, lançado 20 anos depois. Veja como estão os principais atores, trinta anos depois da saga. Dê uma fuçada nos links para saber mais.

George Lucas (diretor)

George Lucas           George Lucas
Em 1977, com 33 anos.  Em 2007, com 63 anos.
Saiba mais no IMDB (em inglês) e no Adoro Cinema.

 

Mark Hamill (Luke Skywalker)

Mark Hamill           Mark Hamill
Em 1977, com 26 anos.  Em 2007, com 56 anos.
Veja a sua biografia completa no IMDB (em inglês) e no Adoro Cinema.

 

Harrison Ford (Han Solo)

Harrison Ford           Harrison Ford
Em 1977, com 35 anos.  Em 2007, com 65 anos.
Veja a sua biografia completa no IMDB (em inglês) e no Adoro Cinema.

 

Carrie Fisher (Princesa Léa)

Carrie Fisher           Carrie Fisher
Em 1977, com 21 anos.  Em 2007, com 51 anos.
Veja a sua biografia completa no IMDB (em inglês) e no Adoro Cinema.

 

Sir Alec Guinness (Ben Obi-Wan Kenobi)

Sir Alec Guinness
Em 1977, com 63 anos.
Sir Alec Guinness faleceu em 2000, com 86 anos, vítima de um câncer no fígado.
Veja a sua biografia completa no IMDB (em inglês) e no Adoro Cinema.

 

Para saber mais sobre a saga

Wikipédia (em português)
IMDB (em inglês)
Site Oficial (em inglês)
Site Oficial do episódio IV, o primeiro filme lançado da série (em inglês)

Quem ainda não assistiu os três primeiros filmes da série (episódios IV, V e VI), não sabe o que está perdendo. Os últimos três filmes da saga, lançados recentemente, não chegam aos pés dos primeiros. A Vingança dos Sith vale a pena ser assistido para ver a transformação de Anakin Skywalker em Darth Vader, mas é nos primeiros que reside a magia. Tá, bom mesmo, é alugar os seis e fazer uma sessão Guerra nas Estrelas de doer a bunda de tanto ficar na frente da telinha. Mas vale a dor.

 

Não tem como não se empolgar com essa trilha sonora!

“May the power be with you.”