Meryl Streep participa de musical com canções do Abba

mamamia.jpgA atriz Meryl Streep é uma das estrelas do musical Mamma Mia, adaptação do espetáculo de mesmo nome que virou um dos clássicos da Broadway. Todas as canções do filme foram feitas pela banda sueca Abba, que nos anos 70 “explodiu” nas rádios com a canção Dancing Queen.

Produzido por Tom Hanks, o longa conta a história de Donna (Meryl Streep), uma mãe que nunca soube a real identidade do pai da sua filha. A situação muda quando a garota resolve se casar e acaba convidando três homens que podem ser seu verdadeiro pai para a grande festa, entre eles o personagem interpretado por Pierce Brosnan.

Dentre os sucessos da trilha sonora, figuram Dancing Queen e a própria Mamma Mia, que compõe o trailer:

Desde sua estréia em Londres, em 1999, Mamma Mia arrecadou mais de um bilhão de dólares em todo o mundo, se tornando um dos musicais de maior sucesso de todos os tempos.

Mamma Mia estréia no Brasil em 15 de agosto.

Gente, fala a verdade se o filme não promete? Eu sou suspeitíssima, porque 1°: Adoro musicais; 2°: Adoro a Meryl Streep; 3°: Adoro o Tom Hanks e tudo o que tenha o dedinho dele envolvido; e 4°: curto as músicas do Abba… então… minhas expectativas estão lá em cima. Só o trailer já dá uma tremenda água na boca, né?! Sem falar do quão contagiante é! (jura que você não se remexeu nem um pouquinho aí na cadeira na onda do “Mamma Mia!”? rsrsrs) 😀

Fonte: Terra

Anúncios

Trailer e Wallpapers de Sweeney Todd!

A nova colaboração entre Johnny Depp e Tim Burton!

Johnny Depp cantando *morre de alegria*.

Baseado na lenda do século XIX sobre Sweeney Todd e o famoso musical homônimo da Broadway, conta a história de Benjamin Barker, que retorna a Londres depois de ter sido extraviado pelo Juíz Turpin com a ajuda de um marinheiro. Ele abre uma barbearia sobre a loja de Tortas de Carne da Sra. Lovett, onde ela vende “as piores carnes de Londres”. Com a ajuda da Sra. Lovett, Todd tenta se livrar de todas as pessoas que o prejudicaram e tem esperanças de se reunir com sua filha, Johanna.

O filme também tem no elenco Helena Bonham Carter, Alan Rickman, Sacha Baron Cohen e Anthony Head. A estréia no Brasil está marcada para 18 de Janeiro de 2008.

Mal posso esperar! 🙂

Enquanto isso, clique nos wallpapers para vê-los maior:

 01_1280.jpg02_1280.jpg

 

03_1280.jpg04_1280.jpg

Poster do Dia: Hairspray – Em Busca da Fama

Hairspray – Em Busca da Fama é adaptação de uma famosa peça da broadway que conta a história de Tracy Turnblad – menina gordinha – que quer aparecer no The Corny Collins Show, o programa de show mais famoso da televisão. No elenco estão John Travolta, no papel da mãe de Tracy, Michelle Pffeiffer, Queen Latifah e Zac Efron (blargh!).

Hairspray

Hairspray

A crítica tosca: adorei os pôsteres! Bem glamourosos, coloridos e chiquês. O John Travolta de mama está um must! Dá vontade de apertar mooooooito de tão fofo que ele ficou com essa carinha de mãezona. Os pôsteres passam a sensação de ser um filme bem divertido e empolgante, daqueles que você sai do cinema cantando junto. Não vejo a hora de assistir!

O filme já estreiou nos isteites e estréia por aqui no dia 21 de Setembro.

E não deixem de visitar o site oficial do filme. Bom à beça!

Ficha técnica:
Título Original – Hairspray
Ano – 2007
Gênero – comédia, drama, musical
Elenco – John Travolta, Michelle Pffeiffer, Cristopher Walken, Amanda Bynes, James Marsden, Queen Latifah, Zac Efron
Site Oficial – http://www.hairspraymovie.com/

;*

Nunca achei que fosse possível…

…mas juntaram três coisas que eu amo de paixão em um único lugar! Sério, e ficou muito bom até.

Estou falando de Jack Sparrow (Johnny Depp em Piratas do Caribe), Xena (da série de TV) e Bonita e Valente (o musical Annie Get Your Gun). Tudo num vídeo que narra uma disputa entre a anti-heroína que desafiou todas as leis da física – entre outras – e o anti-herói mais bem-sucedido do cinema, ao som de Anything You Can Do.

Quando vi não pude deixar de postar. Vejam também:

🙂

Sessão Nostalgia – Victor ou Victoria

 Victor Vitoria - Cartaz Broadway

Um homem que personifica uma mulher no palco? Fácil. Mas uma mulher, cujo sustento depende dela se passar por um homem que finge ser mulher? Agora começam os problemas.  

Essa deliciosa comédia musical de 1982, estrelada pela maravilhosa Julie Andrews (que dispensa apresentações), é um filme de Blake Edwards (A Pantera Cor-de-Rosa e Boneguinha de Luxo) com música de Henry Mancini e Leslie Bricusse, vencedores do Oscar de “Melhor Trilha Sonora”. No elenco, o tbm maravilhoso Robert Preston (Carroll Todd ‘Toddy’), que interpreta um ator de cabaret que,  para ajudar a amiga em dificuldades (Andrews), cria o papel do homem que posa como mulher. James Garner (King Marchand) é o homem de negócios apaixonado por Victor, mas tem certeza que o transformista seja na verdade Victoria. E Lesley Ann Warren (Norma) a namorada bonitinha, mas pouco inteligente e irritante de King  

A estória se passa na requintada Paris de 1934. A cantora lírica Victoria Grant encontra-se numa situação extremamente difícil, até conhecer por acaso, o divertido e encantador Toddy, que acaba tornando-se seu melhor amigo. Num lampejo de criatividade e bom humor, Toddy idealiza um personagem (Conde Victor Grezhinski) que pode tornar ambos muito ricos e mudar suas vidas para sempre. É aí que Victoria, que não tem mais nada a perder, torna-se Victor, que interpreta Victoria nos palcos.  

vv_21-2.jpg

É simplesmente um filme delicioso de assistir. Sem a menor dúvida, meu musical favorito. Tive o prazer de assisti-lo ainda criança, e nunca mais esqueci. Na adolescência consegui grava-lo em VHS e já adulta o adquiri assim que foi lançado em DVD. Fazia um bom tempo que ele estava quietinho, sem ser assistido, em meio a outros filmes. Até que minha sobrinha (de apenas 1 aninho e 3 meses) se encantou por ele, justamente pela enorme boca vermelha que estampa a capa, e lá acabei separando-o para rever. E foi como se estivesse assistindo pela primeira vez. É sempre muito prazeroso e divertido. Mas ao visitar os extras, vi que mesmo tendo o musical há tantos anos, ainda não havia explorado o filme completamente. A versão com comentários da atriz Julie Andrews e do diretor e roteirista Blake Edwards, não fora assistida. Ah, não perdi tempo. E que presente eu me dei aquela tarde. Simplesmente fabuloso. Vinte anos depois, o casal Andrews & Edwards (que são casados desde 1969 e têm 5 filhos dessa união) contam curiosidades maravilhosas, como: o filme ter sido totalmente rodado em dois estúdios na Inglaterra, sem nenhuma tomada externa; o cuidado em passar o filme no inverno, mas evitando os tons de azul e abusando dos tons quentes, como vermelho, laranja, rosa, para deixar o filme alegre, já que o musical trata de muito amor e carinho; o pavor que Julie tem de baratas e como foi complicado gravar as cenas que necessitavam do inseto perto dela; a maneira em como eles trabalhavam com as baratas, congelando-as e, na hora de filmar, descongelando-as com o secador de cabelo; o filho do casal que faz uma pontinha no filme, como um dançarino gay boquiaberto com o novo astro dos palcos, Victor (os pais se esbaldam ao contar em como o filho interpretou o personagem com maestria e lamentam ele ter decidido trabalhar atrás das câmeras, sendo que seu talento como ator é imenso… rsrsrs); a harmonia incomparável do elenco e equipe; e tantas outras curiosidades do back stage, que tornam o filme ainda mais interessante. 

vv_06.jpgvv_17.jpg

vv_25.jpgvv_34-1.jpg

vv_46.jpgvv_47.jpg

E o mais bonito nisso tudo, é a enorme admiração que Blake e Julie tem um para com o outro como profissionais, e, para com o filme tbm. É sem dúvida mais um filho do casal, tamanho o amor por essa obra. O tempo todo eles deixam isso bem claro. A afeição é imensa.

E o final dos comentários não poderia fechar de forma mais bonita: 

“There’s nothing better than being in love with someone and doing something together.”  

Imagina, o Blake fala isso depois de trinta anos de casado. Não é lindo??? 🙂 

Blake Edwards & Julie Andrews

Pois é, preparem-se, pois a despedida dos comentários dos dois é uma sucessão de lindas declarações. 😀 

Não posso deixar de comentar as excelentes performances de Julie como Victoria e da trilha sonora maravilhosa. Simplesmente encantadoras! Eu adoro TODAS as apresentações musicais, tanto “Le Jazz Hot”, “You And Me”, “Crazy World”…, ficando complicadíssimo optar por uma, mas se fosse para escolher, eu diria que a  performance de “The Shady Dame From Seville” se destaca um pouquinho mais que as outras para mim. Tem toda uma movimentação que adoro e, Julie simplesmente dá um show, sendo impossível não se encantar.

Segue o vídeo abaixo: 

 

E é nessas horas que a gente lamenta que uma atriz como essa esteja limitada pela idade. Pessoas assim jamais deveriam envelhecer, pois só acrescentam e tornam a vida mais bela, não é mesmo?!  

Julie Andrews tem um “quê” especial, não adianta. Ela prende sua atenção com aquele jeitinho, com aquela doçura sem tamanho. Transparece no olhar. É algo natural nela, um carisma imenso. E que talento, hein?! Imensurável!!! 

Para terminar, deixo o trailer do filme, para quem não assistiu ficar com água na boca, e para quem já assistiu, querer assistir novamente: 

   

Victor ou Victoria Ganhou o Oscar de Melhor Trilha Sonora, além de ter sido indicado em outras 6 categorias: Melhor Atriz (Julie Andrews), Melhor Ator Coadjuvante (Robert Preston), Melhor Atriz Coadjuvante (Lesley Ann Warren), Melhor Direção de Arte, Melhor Figurino e Melhor Roteiro Adaptado. Julie Andrews ganhou o Globo de Ouro (Melhor Atriz), Robert Preston ganhou o prêmio da National Board of Review (Melhor Ator Coadjuvante) e Warren (Melhor Atriz Coadjuvante). Também venceu o Writers Guild Of America Awards (Melhor Comédia AdaptadaBlake Edwards) e o prêmio  César de Melhor Filme Estrangeiro. E recebeu uma indicação ao Grammy de Melhor Trilha Sonora TV/Cinema. 

O filme também tornou-se um musical de muito sucesso na Broadway, com sua atriz principal, Julie Andrews, e ousou em cenas que acabaram não entrando no filme.

Frank & Gene

1159329273_f.jpg

Não é muito difícil reparar que eu adoro gente antiga. Artistas, isso é. Atores, cantores, escritores… Adoro! Hoje em dia é muito fácil ser “artista”, fazer “arte”, mas antigamente a pessoa tinha que ser boa mesmo! Por isso que eu gosto tanto de atores de teatro e musicais: não tem como enganar a platéia ali.

Um dos artistas que mais gosto é o Frank Sinatra. Na verdade, gosto mais dele como ator do que como cantor. A voz dele é maravilhosa, mas prefiro vê-lo a escutá-lo. Ele era uma gracinha! Sempre digo que sou viúva dele, é verdade que ele é meu tipo de cara. Bem, tirando a parte do envolvimento com a máfia, mas confesso que essa parte é um pouco excitante também. 🙂

Enfim, quando fui ver Marujos do Amor (Anchors Aweigh!) pela primeira vez, foi pelo Frank Sinatra, mas ao longo do filme não resisti e me encantei pelo Gene Kelly também! Não tem como não se render a ele. Ele é todo charmoso, tem um corpo maravilhoso, um sorriso sacana e dança como ninguém, né? Eu não gostava muito dele antes, porque li que ele era baita grosseiro e mal-encarado com os outros atores, especialmente as mulheres, mas depois desse filme até perdoei ele por isso.

Minha cena favorita nesse filme foi aquela clássica que ele dança com o Jerry, do desenho Tom & Jerry. Muito adorável a dancinha deles! Foi a primeira cena de dança entre um ator e um desenho animado do cinema. Eu até a procurei no YouTube, mas não achei. No entanto, encontrei o trailer.

Eu definitivamente nasci na época errada!